Notícias

Duende projeta 2020 mais competitivo e relembra início na motovelocidade

Após grandes atuações, Osvaldo “Duende”, #515, por muito pouco não foi o campeão da categoria SuperStock em 2019. Disputando o título com Guto Figueiredo, #18, ele acabou ficando com o vice-campeonato por apenas 6 pontos no fim do ano.

Ainda assim, as três vitórias e seis pole positions deixaram o piloto animado e muito motivado para a temporada 2020 do SuperBike Brasil. Participante do evento desde seu início, no ano de 2010, ele diz que o foco é conseguir melhores condições para continuar andando na ponta nesta temporada.

“No ano passado, pude provar para mim e para todos que sou muito competitivo”, falou Duende, que fez a temporada com uma Kawasaki Ninja ZX-10 em uma categoria na qual onde a habilidade do piloto conta muito, já que as motos são praticamente originais, contando apenas com pequenos ajustes, que não visam gerar performance.

“Fiz pole positions e ganhei corridas com um equipamento inferior e sem preparo. Agora, gostaria muito de ter uma moto no nível da minha pilotagem. Quem sabe podendo até disputar na Pro. Por isso, meu plano é conseguir patrocinadores para poder entrar com um equipamento 100% competitivo.”

Duende é figura carimbada dos paddocks da motovelocidade no Brasil já há muitos anos. Além de piloto, ele é chefe de sua equipe – a Duende Racing.

“Já estou há 28 anos neste ramo”, seguiu.

“Tudo começou em uma brincadeira. Eu já trabalhava consertando mobiletes, e aí eu fiz uma proposta para um cliente. Eu consertaria e prepararia a mobilete para ele, e em troca ele me deixaria correr nela uma vez por mês para que eu pudesse competir em Interlagos. Foi daí que entrei nas competições e tudo começou.”

“A minha equipe, Duende Racing, veio alguns anos depois. Criei porque fui bem andando de mobiletes e depois fui convidado para correr na Copa Yamaha RD. Nisso, as coisas começaram a fluir e comecei a ganhar experiência.”

“Aí, conforme fui crescendo e sendo campeão, montei a Duende Racing. A ideia era atender as pessoas com a minha preparação e, ao mesmo tempo, ganhar dinheiro para me manter nas pistas.”

Campeão da Copa CB 300 R em 2013, Duende já correu por outras categorias do SuperBike Brasil, como CBR 500 e Supersport 600, passando pela Stock 600 em 2017, na qual foi vice-campeão.

Desde 2018, Duende migrou para motos de 1000cc, passando pela SuperStock, e já está confirmado na temporada 2020 como piloto e também com sua equipe. Neste ano ele planeja voltar a exibir sua habilidade não apenas como piloto, mas também como preparador. A temporada promete grandes disputas e nós vamos seguir de olho nele!