Notícias

Mauro Passarino: o hermano que sonhava em correr no Brasil

Não é fácil competir em um país estrangeiro. Principalmente quando surge uma pandemia e torna tudo mais difícil. No entanto, para competir no maior campeonato de motovelocidade das Américas, o argentino, Mauro Passarino, deu seu jeito e, não só competiu, como garantiu o título da SuperSport 400cc de 2021. Em conversa exclusiva ao portal do SuperBike Brasil, o atual campeão revelou seu maior desejo.

“Meu objetivo sempre foi correr fora da Argentina e quando eu era mais jovem eu assistia às corridas de outros pilotos argentinos no SuperBike Brasil”.

Muito pode se dizer sobre Mauro Passarino apenas por esta frase. Apaixonado por motos, o jovem de apenas 22 anos começou na motovelocidade com apenas quatro anos, em competições argentinas. “Comecei desde muito jovem, aos 4 anos para correr de moto e sempre foi minha paixão”, relembra.

Natural de Resistência, cidade argentina localizada ao sudeste da província Chaco, Mauro pode realizar seu sonho de competir no SuperBike Brasil, igual quando assistia em seu televisor, em 2019, quando fez sua primeira etapa. “Minha primeira etapa foi em 2019, no autódromo de Curitiba, pela SuperSport 600. Lembro que estava muito feliz por realizar um sonho”, afirma, antes de completar o que mais gosta no campeonato. “Gosto da organização e do respeito por cada piloto e equipe, o trabalho de cada equipe e o nível de competitividade”.

No ano seguinte de sua estreia, o atual piloto da W2V conquistou sua primeira vitória e não parou por aí, se tornando o campeão da categoria SuperSport 400. Segundo o próprio hermano, o resultado foi fruto de muito trabalho. “Minha primeira vitória foi na primeira etapa de 2021, que para mim representou muito esforço e trabalho. Sonhei muito em chegar ao SuperBike Brasil e estar com nível para vencer. Depois da corrida eu chorei de emoção”, revela.

“Ser campeão pela categoria foi tudo para mim. Porque foi muito difícil o ano todo, economicamente. Na Argentina é difícil conseguir patrocínio e a economia está ruim. Para mim foi um desafio, até por conta da pandemia e viajar para todas as etapas”, explica.

Para concluir, Mauro Passarino ainda abre seus planos para o futuro. Ao ser questionado se tem a intenção de competir pela categoria SuperBike PRO, principal da competição, ele é direto e não hesita. “É meu objetivo para o próximo ano”.